ESTUDO DA ECONOMIA PORTUGUESA

Diagnóstico - Prognóstico - Respostas estratégicas

Ameaças e Oportunidades:

  • Aumento dos riscos de desintegração europeia  
  • Toxicidades acumuladas no sistema bancário europeu manifestam-se progressivamente da Itália à Alemanha  
  • Riscos na Zona Euro   
  • Desvalorização do Euro  
  • Risco de sanções a Portugal pressiona Estado e pode condicionar Financiamento do Investimento («Portugal 2020»), restrições orçamentais tendem a aumentar   
  • Aumento riscos geopolíticos na Eurásia e no Norte de África 
  • Diminuição dos preços do petróleo, dos metais e de outras matérias primas   
  • Aumento das importações da América e da Europa  
  • Diminuição das importações de Angola e do Brasil  
  • Imagem muito favorável de Portugal e de Lisboa no Mundo, com melhoria da sua notoriedade.

Pontos fortes e Potencialidades:Sociedades não financeiras - vantagens competitivas apesar das condicionantes endógenas e exógenas, manifestas no aumento das exportações de produtos e serviços (turismo) e no aumento das suas quotas nas importações mundiais, fruto de um trabalho notável realizado ao longo de décadas, inversão de necessidades para capacidades de financiamento;  

Sociedades financeiras -  Aumento do financiamento das exportações e do investimento (externo e interno)  

Estado - potencial de reforma profunda por realizar que o reoriente para a valorização das Sociedades e das Famílias e para a minimização de Riscos e Custos do Meio Ambiente envolvente;

Famílias - capacidade de resiliência apesar de todos os fatores contrários (serviço das suas dívidas e apoio aos serviços das dívidas alheias através de tributação excessiva e de rendas excessivas), permitiram a diminução do endividamento, e aumento das remessas de emigrantes 

País - atratividade geográfico-histórico-cultural, potencialidade de reversão da predominância de jogos de soma negativa ou nula em positiva, de círculos viciosos em virtuosos, de entropias em sinergias e empatias, de cultura conservadora de status quo e competitiva em cultura de inovação e competitivo-cooperativa, com base na cultura humanista e universalista Luso-Latina da Nação portuguesa.   


Pontos fracos e Vulnerabilidades:

Estado - Aumento da dívida pública, aumento da despesa pública corrente, aumento da tributação (sem reforma contribui para a (Var -)Valor e (Var +) Riscos no Meio Ambiente), nível de necessidades de financiamento muito elevadas, Segurança Social condicionada;

Famílias (incluem Empresários em nome individual) - sobrecarga fiscal, sobre-endividamento, limitações no acesso ao financiamento, abuso de posições dominantes de mercado, desvalorização das classes de rendimentos intermédios, empobrecimento, envelhecimento, e diminuição das capacidades de financiamento da Economia; 

Sociedades não financeiras - Riscos e custos de Meio Ambiente excessivos, nomeadamente energéticos e logísticos, abuso de posições dominantes de mercado, Procura Interna desvalorizada, sistema fiscal desfasado da criação de valor, limitações na gestão de riscos e na informação para a tomada de decisões;

Sociedades financeiras - Excessiva exposição à Procura Interna desvalorizada manifesta no crescente (Var +) créditos vencidos / créditos concedidos, limitações de regulação, imitações na gestão de riscos e e na informação para a tomada de decisões para melhorar o financiamento de Pequenas e Médias Empresas, nomeadamente no Mercado Interno, nível elevado de toxicidades acumuladas; 

País - predominância de jogos de soma negativa ou nula, de círculos viciosos e de entropias, manifestas nos riscos do Meio Ambiente e na desvalorização da Procura Interna.

Setembro de 2016  | Consulte o estudo completo na área de DOCUMENTOS. 

Para mais informações, contacte, por favor, a Direção de Marketing e Vendas através do  T: 21 358 88 00 ouEmarketing@ignios.pt